Rastreamento Universal de Sinais GNSS: A tecnologia verdadeiramente revolucionária

Rastreamento Universal de Sinais GNSS: A tecnologia verdadeiramente revolucionária

 

Navegação e posicionamento já vêm de muito tempo

Satélites baseados em navegação e posicionamento vêm de longa data, desde o seu conceito inicial e a sua introdução durante os anos 70. Naquela época, o sistema GPS (Global Positioning System), do Departamento de Defesa dos EUA (US DoD) e o sistema Russo GLONASS (Globalnaya Navigatsionnaya Sputnikovaya System) eram os dois únicos sistemas disponíveis para o uso. Além disso, a tentativa de uso desses dois sistemas simultaneamente era uma tarefa difícil, realizada somente em ambientes científicos e acadêmicos.

Com a disponibilidade limitada no número de satélites e cada um dos sistemas transmitindo somente duas frequências (L1 e L2), não se requeria grandes quantidades de canais para a recepção destas frequências. Tanto é que a maioria dos receptores, incluindo os de uso em topografia, possuíam quantidades limitadas de canais, sendo que cada canal era designado para receber uma determinada frequência (L1 ou L2), de um específico satélite e de um específico sistema (GPS ou GLONASS).

A multiplicação dos sistemas de satélites

Desde então houve uma explosão na quantidade do sistema de satélites disponíveis, cujo o conjunto de todos estes satélites leva a denominação de sistema GNSS. Na última contagem, pode-se ou espera-se rastrear os sistemas GPS, GLONASS, Galileo, SBAS, QZSS e Beidou, dependendo de onde você se localiza na superfície terrestre. Em combinação a isso, houve um acréscimo na quantidade de frequências dos sinais disponíveis, logo não é difícil entender que muitos dos receptores mais antigos não estão preparados para extrair o máximo de benefício do moderno sistema GNSS.

Fabricantes tomaram diferentes medidas para resolver esse assunto tais como, a limitação de sinais que cada canal do receptor pode suportar, ou a designação de uma quantidade de canais GNSS para que rastreiem satélites específicos, restringindo então a plena utilização dos sistemas atualmente disponíveis.

A abordagem mais inovadora

Como líder na indústria de tecnologias em satélites, a Topcon tomou uma abordagem mais inovadora para superar essa questão. Como estava evidente de que nos céus, em breve, estariam repletos de transmissão de vários sinais e com vasta gama de frequências, os engenheiros da Topcon, ao invés de adotarem a tecnologia de Canais Paralelos, utilizada desde o século passado pela maioria dos fabricantes, desenvolveram a tecnologia de Canais Universais, ou Universal Tracking Channels – UTC, o seu nome original em inglês com a sua respectiva sigla.

Como o próprio nome sugere, a UTC é uma solução totalmente revolucionária onde qualquer canal do receptor está aberto a receber qualquer sinal GNSS disponível, ao contrário da tecnologia de canais paralelos onde cada um dos canais já está previamente limitado a receber o sinal de um determinado sistema, de um determinado satélite com sua determinada frequência.

A tecnologia de canais universais reduz o risco de obsolescência perante a constante modernização dos sistemas de satélites e da multiplicação das quantidades de frequências por elas transmitidas, portanto, não é difícil imaginar que esses benefícios levem a desenvolvimentos ainda maiores no futuro, especialmente na criação de receptores GNSS com foco no mercado de alto desempenho em atendimento a ampla gama de aplicações de geoposicionamento.

Adaptado e traduzido de:

https://www.topconpositioning.com/insights/universal-tracking-truly-scalable-technology

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *